Quais são as melhores dicas para finanças internas?

O financiamento interno é uma estratégia de negócios que envolve o uso de recursos financeiros já mantidos pela empresa para financiar novos projetos, em vez de buscar financiamento de uma fonte externa. Essa abordagem pode funcionar muito bem quando a empresa possui uma quantidade considerável de fundos mantidos em várias contas e desfruta de um fluxo de caixa saudável de seus recebíveis. Ao considerar a possibilidade de financiamento interno como um meio de lançar e financiar um novo projeto, é importante considerar quais fontes de fundos internos podem ser acessadas, os resultados de curto e longo prazo do uso de financiamento interno e não externo, e como essa atividade afetará as operações diárias dos negócios.

Uma das primeiras coisas a considerar nas finanças internas é exatamente de onde o dinheiro virá dentro da organização comercial. Por exemplo, a empresa pode observar que possui uma quantia considerável de dinheiro em uma conta com juros que está obtendo uma taxa de juros mais baixa. Em outros momentos, uma quantia significativa pode ser mantida em cheque em uma conta operacional geral. A idéia é identificar recursos que possam ser utilizados com facilidade e que atualmente não são destinados a outros usos.

Depois de identificar quais recursos internos usar, é importante considerar o impacto que isso causará na empresa. Embora possa haver uma quantidade significativa de fundos mantidos no fundo operacional geral, esses recursos podem ser necessários para ajudar a empresa a lidar com as despesas diárias durante uma futura redução sazonal no volume de negócios. A menos que haja motivos para antecipar que a receita gerada pela empresa a partir de pedidos de clientes seja suficiente para manter a operação durante essa baixa temporada, o uso de finanças internas pode não ser a melhor abordagem. Ao mesmo tempo, o uso desses fundos internos pode, de fato, economizar o dinheiro da empresa, especialmente se as taxas de juros que se aplicariam a um empréstimo comercial estiverem atualmente muito altas.

Uma terceira consideração com finanças internas é o que essa decisão significará para a empresa no futuro. Embora certamente signifique que há menos fundos discricionários no curto prazo, também pode significar que as reservas permanecem esgotadas por um período de tempo considerável. Isso tende a aumentar o risco de continuar operando, na medida em que os negócios terão menos recursos para recorrer caso alguma crise imprevista se desenvolva nesse ínterim. Se houver motivos para acreditar que o projeto começará a gerar alguns retornos em mais ou menos um ano, o risco de finanças internas será reduzido ao mínimo. Se o projeto finalmente falhar e não gerar receita significativa, a empresa pode ter que operar com um orçamento menor até que essas reservas sejam substituídas, uma tarefa que pode significar a consolidação de instalações selecionadas e a demissão de uma parte da força de trabalho até que os negócios possam se recuperar. das perdas.

As finanças internas podem ser uma ótima maneira de gerenciar um novo projeto. Os benefícios incluem evitar encargos financeiros e outros compromissos com credores externos, além de poder avançar com o projeto de uma só vez. Um passivo em potencial é que o projeto falhará, fornecerá pouco ou nenhum retorno e deixará a empresa com pouco dinheiro por um período de tempo. Ao avaliar as opções e projetar o risco associado a cada abordagem, a empresa pode determinar se o financiamento interno é do melhor interesse da empresa ou se o trabalho com fontes externas de financiamento é a abordagem mais sólida.

OUTRAS LÍNGUAS

Este artigo ajudou você? Obrigado pelo feedback Obrigado pelo feedback

Como podemos ajudar? Como podemos ajudar?