O que é abuso financeiro?

O abuso financeiro é uma forma de maus-tratos e fraudes nas quais alguém controla à força o dinheiro ou outros ativos de outra pessoa. Pode envolver, por exemplo, roubar dinheiro, não permitir que a vítima participe de nenhuma decisão financeira ou impedir que ela tenha um emprego. O problema tende a ocorrer com mais frequência nos relacionamentos domésticos, como entre marido e mulher ou um pai idoso e um filho adulto. As pessoas nem sempre reconhecem o problema, porque um agressor propositalmente pode selecionar uma vítima vulnerável e isolada que dificilmente perceberá o que está acontecendo ou que sentirá vergonha de denunciá-lo.

Casos que envolvem idosos

O abuso financeiro de idosos envolve alguém que visa um adulto mais velho, geralmente um dos pais ou outro parente próximo, na esperança de ter acesso a suas informações financeiras. Ele pode agir como se estivesse simplesmente ajudando a gerenciar as finanças do sénior, mas, em vez disso, ele aceita o dinheiro. Isso pode convencer uma pessoa idosa a assinar documentos financeiros legais ou fazer com que a vítima mude o endereço de correspondência em contas e outros registros.

As pessoas que tentam controlar e receber dinheiro dos idosos têm vários motivos. Alguns podem ver indivíduos com deficiência ou solitários como alvos fáceis, porque é mais provável que essas pessoas aceitem ajuda e permitam que outras pessoas acessem seus registros e contas. Os filhos adultos podem sentir que têm direito à riqueza de seus pais, principalmente se receberem heranças. Outros selecionam alvos com base no desejo de vingança por um relacionamento ruim.

Manipulação conjugal

O abuso financeiro também pode ocorrer em casamentos, como forma de ter controle sobre um parceiro, a fim de fazê-lo se sentir sem esperança o suficiente para nunca mais sair. Um parceiro pode não permitir que o outro tenha acesso a qualquer parte do dinheiro da família, ou ele pode dar apenas uma pequena quantia. Ele pode até confiscar o salário da vítima ou outros meios de fundos pessoais. Em alguns casos, uma pessoa pode forçar um cônjuge a deixar o emprego, ou pode causar interrupções no local de trabalho para que a vítima seja demitida. Outra instância em potencial é quando um parceiro acumula propositadamente grandes quantidades de dívida usando contas conjuntas de verificação ou crédito.

Abuso de Crianças

Algumas pessoas optam por machucar financeiramente as crianças, em vez de um indivíduo ou cônjuge idoso. A maioria dos pais é legalmente capaz de lidar com questões financeiras de seus filhos menores, portanto esses casos freqüentemente não são relatados. A motivação, semelhante aos casos em casamentos, é geralmente impedir que a criança acabe saindo. Os pais podem evitar deliberadamente ensinar à criança como administrar seus fundos, ou ele pode receber dinheiro que a criança e outros parentes reservaram para coisas como a faculdade, sem intenção de pagar de volta. Ele pode mentir sobre o roubo, dizendo que está investindo em nome do menor.

Outro problema comum é cuidar de questões relacionadas ao dinheiro, mas propositadamente não discuti-las com a criança primeiro. Os pais costumam dizer que ele está apenas tentando facilitar as coisas ou ser gentil, mas, ao agredir a criança com o soco financeiro, ele está basicamente controlando o que a criança adquire ou faz. Quando a criança tenta afirmar mais independência, o agressor faz com que se sinta culpado, dizendo que não é apreciativo ou ingrato, não apenas pela "ajuda" financeira, mas por tudo o que é fornecido também.

Entre amigos

Às vezes, esse tipo de maus-tratos ocorre entre amigos. Aqui, como nos casos com idosos, uma pessoa persegue o medo da solidão ou a necessidade de verdadeira ajuda do outro indivíduo. Ele pode dizer, por exemplo, que não será mais amigo ou prestará outra assistência sem acesso a informações financeiras, ou que um amigo de verdade o emprestaria dinheiro. Ele também pode convenientemente "esquecer" seu dinheiro ou cartões de crédito quando sair, forçando o amigo a pegar a guia e nunca mais pagar.

Efeitos

Ser manipulado financeiramente, de maneira sutil ou conspícua, pode resultar em séria instabilidade monetária. A qualidade de vida geralmente sofre como consequência. Muitas pessoas se sentem envergonhadas com a situação e não recebem ajuda, o que apenas perpetua o problema. Eles também costumam sofrer estresse, seja pelas palavras do agressor ou por ações diretas ou pelos efeitos posteriores dessas circunstâncias, como a impossibilidade de efetuar o pagamento da hipoteca.

Em alguns casos, os resultados do problema podem chegar a outros. Se alguém convence um idoso a assinar sua casa, por exemplo, essa propriedade não pode ser dada como herança. Os entes queridos podem ter que trabalhar para "limpar" a bagunça financeira muito tempo após o controle parar e, se os tribunais precisarem se envolver, isso pode levar anos para ser concluído. Também pode exigir que o indivíduo que intervenha dedique parte de seu próprio dinheiro à resolução, como pagar por um advogado.

Sinais de aviso

Uma pessoa pode estar passando por manipulação financeira se parecer retraída ou deprimida ou se sua aparência e higiene físicas parecem estar sofrendo. Ele pode não tomar decisões sobre dinheiro com confiança por conta própria. Discrepâncias ou transações incomuns em registros bancários, mudanças repentinas de sentimentos por uma pessoa em particular, aumento do uso de álcool ou outras substâncias e o indivíduo que controla frequentemente o que está por perto são sinais de alerta adicionais.

Prevenção

Uma das maneiras mais simples de evitar maus-tratos financeiros é permanecer envolvido em um círculo de amigos ou grupos sociais, para que uma rede esteja disponível para obter ajuda. As pessoas também podem insistir em abrir seu próprio correio e ter acesso a todos os registros financeiros. A tecnologia moderna reduz o risco por meio de opções como depósito direto e pagamentos automáticos de contas. A aplicação de uma regra de três também é uma boa idéia - isso significa que, sempre que uma pessoa precisa discutir dinheiro, pelo menos duas outras pessoas participam da conversa. Um indivíduo pode até usar estratégias como gravar digitalmente reuniões financeiras, para que haja um registro do que aconteceu.

Relatórios

Quando uma pessoa suspeita que outra pessoa está sendo controlada financeiramente, entre em contato primeiro com as autoridades locais, como o banco da vítima e o departamento de polícia, além de um advogado. Essas agências iniciarão investigações formais e, se necessário, processarão os infratores. Os indivíduos também podem fazer relatórios para outras agências, como o Centro Nacional de Abuso de Idosos nos EUA. Independentemente de como uma pessoa faça uma denúncia, uma reclamação geralmente tem um resultado melhor se o arquivador tiver alguma documentação para apoiar as reivindicações.

OUTRAS LÍNGUAS

Este artigo ajudou você? Obrigado pelo feedback Obrigado pelo feedback

Como podemos ajudar? Como podemos ajudar?