O que é a disfonia espástica?

A disfonia espástica, mais conhecida como disfonia espasmódica, é um distúrbio da fala em que os músculos envolvidos no controle do espasmo da fala periodicamente, tornando a fala cortada, ofegante ou tensa. Pessoas com essa condição também podem ter dificuldade em respirar e comer. Pode tornar-se uma deficiência incapacitante, pois o paciente pode não ser capaz de trabalhar como resultado de problemas de fala e também pode sofrer um sofrimento social ao tentar se comunicar oralmente.

Essa condição parece ser de origem neurológica, causada por problemas na área do sistema nervoso central responsável pela sinalização dos músculos utilizados na fala. Algumas pessoas têm o que é conhecido como disfonia espástica adutora, onde os músculos se juntam, pressionando as pregas vocais umas nas outras e dificultando a fala. Outros têm uma forma abdutora, onde as pregas vocais são separadas demais para permitir a articulação da fala. Um tipo misto que apresenta características de ambos também pode ser observado em alguns pacientes.

Diagnosticar disfonia espástica pode ser um desafio. Inicialmente, supõe-se que alguns pacientes estejam com um problema psicológico, como dificuldade em falar provocada pelo estresse. Em outros, pode levar tempo para confirmar que há definitivamente um problema neurológico e para documentar a extensão do problema. Às vezes, a imagem médica do cérebro é útil, assim como a inspeção da laringe. Os médicos também podem verificar se há infecção, danos nos nervos e outras causas potenciais da condição para garantir um diagnóstico correto, pois a abordagem do tratamento dos distúrbios da fala depende da causa subjacente.

Várias opções de tratamento estão disponíveis para disfonia espástica. Um deles é a injeção de toxina botulínica nos músculos para reduzir a espasticidade. Embora muitas vezes as pessoas associem esse tratamento a procedimentos cosméticos para gerenciar rugas faciais, ele tem várias aplicações terapêuticas, não apenas para disfonia espástica, mas também para enxaquecas e tremores nas mãos. Os pacientes também podem buscar terapia fonoaudiológica para resolver a dificuldade de falar e desenvolver habilidades de deglutição, se necessário.

A severidade dessa condição pode variar. Pessoas com histórico de disfonia espástica podem achar útil adquirir habilidades alternativas de comunicação, como o uso da linguagem de sinais ou de um quadro de comunicação aumentativa, para garantir que serão compreendidas quando tiverem dificuldade para falar. As acomodações no local de trabalho estão disponíveis para pessoas com essa condição que precisam de assistência com a comunicação, incluindo tecnologia de telefone adaptável e colocação em departamentos onde a comunicação falada não é uma necessidade crítica.

OUTRAS LÍNGUAS

Este artigo ajudou você? Obrigado pelo feedback Obrigado pelo feedback

Como podemos ajudar? Como podemos ajudar?