Existe uma conexão entre Lisinopril e queda de cabelo?

Pode haver uma conexão entre o lisinopril e a perda de cabelo, mas é difícil determinar, porque muito poucos pacientes em uso de lisinopril relatam perda de cabelo e perda de cabelo é comum na população em geral. Os ensaios clínicos mostraram que menos de um por cento dos pacientes que tomaram o medicamento relataram perda de cabelo, mas, apesar disso, muitos outros fatores podem estar em ação. Isso torna difícil determinar se o medicamento causou a perda de cabelo ou se a perda foi resultado de predisposição genética ou mesmo estresse. Independentemente dessa dificuldade, muitas pessoas ainda estão convencidas de que o lisinopril e a perda de cabelo estão relacionadas e acreditam que sua perda de cabelo coincidiu com o uso do medicamento.

Os possíveis efeitos colaterais raros do lisinopril incluem perda de peso, insônia e queda de cabelo. É importante observar, no entanto, que menos de uma em cada 100 pessoas sofrerá algum desses efeitos colaterais raros. Os efeitos colaterais comuns do lisinopril incluem fadiga, dor de estômago e dor no peito. Ao contrário de muitos efeitos colaterais causados ​​por tratamentos medicamentosos, o motivo exato do lisinopril pode causar queda de cabelo é desconhecido. Acredita-se que esse efeito ocorra em homens e mulheres, mas deve parar quando o tratamento é interrompido, e outros medicamentos podem ser usados ​​para estimular o crescimento de novos cabelos.

De um modo geral, os medicamentos causam queda de cabelo, afetando o ciclo normal de crescimento do cabelo. Os dois tipos de perda de cabelo induzida por drogas são chamados eflúvio telógeno e eflúvio anágeno. Eles são nomeados após a parte do ciclo capilar em que a droga interfere, a fase telógena, onde o cabelo repousa antes de cair ou a fase anágena, caracterizada pelo crescimento do cabelo. O eflúvio telógeno é o tipo mais comum e geralmente associado a medicamentos, como o lisinopril, que são usados ​​para tratar a pressão alta. Acredita-se que o lisinopril e a perda de cabelo estejam relacionados porque o medicamento interfere com a fase telógena do crescimento do cabelo, e os sintomas devem começar entre dois a quatro meses após o tratamento.

A pequena porcentagem de pacientes que relatam um vínculo entre lisinopril e queda de cabelo não significa que os dois estejam desconectados, mas levanta muitos problemas. O mais prevalente desses problemas é que a perda de cabelo é comum nas populações masculina e feminina. A pesquisa mostrou que a calvície genética afeta 50% dos homens e 13% das mulheres antes da menopausa. O número de mulheres aumenta com o início da menopausa e o aumento da idade. Esses fatos indicam que a aparente ligação entre o lisinopril e a perda de cabelo é menos pronunciada do que a perda natural de cabelo, e que a perda natural de cabelo pode, portanto, ser responsável pelo "efeito colateral".

O lisinopril pertence a uma classificação de medicamentos chamados inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA), que são usados ​​principalmente para tratar a pressão alta. Eles trabalham inibindo a ação da enzima conversora de angiotensina, responsável pela produção de angiotensina II. Este produto químico faz com que os músculos que circundam as paredes das artérias se contraiam, o que os torna mais estreitos e, por sua vez, podem aumentar a pressão sanguínea. Ao impedir a produção de angiotensina II, o lisinopril relaxa os músculos ao redor das artérias, o que reduz a pressão sanguínea. Isso significa que o coração recebe mais oxigênio e sangue, o que o torna mais forte e mais capaz de bombear sangue.

OUTRAS LÍNGUAS

Este artigo ajudou você? Obrigado pelo feedback Obrigado pelo feedback

Como podemos ajudar? Como podemos ajudar?