O que são receptores de adenosina?

Os receptores de adenosina são receptores metabotrópicos para o neurotransmissor adenosina. Foram identificados três receptores de adenosina, marcados como A1 a A3, e são todas as proteínas que funcionam para identificar e se ligar à adenosina. O receptor para o neurotransmissor adenosina é um receptor P1 porque é purinérgico, o que significa que contém um anel de purina.

Receptores são proteínas que se estendem ao longo da membrana dos neurônios. Neurotransmissores se ligam a receptores e, conseqüentemente, canais iônicos específicos abrem ou fecham. Os receptores metabotrópicos, no entanto, não possuem canais iônicos, portanto o fluxo de íons através desses receptores depende de uma ou várias etapas metabólicas. Por esse motivo, os receptores metabotrópicos, como os receptores de adenosina, são freqüentemente chamados receptores acoplados à proteína G. Isso ocorre porque moléculas intermediárias chamadas proteínas G são ativadas quando os canais iônicos associados ao receptor se abrem e fecham.

Os receptores de adenosina têm características principais que são compartilhadas com outros receptores acoplados à proteína G. Isso inclui sete segmentos de membrana que se estendem pelo neurônio e uma alça intracelular, que é o que acopla à proteína G. A proteína G e o receptor só podem acoplar após a ligação do neurotransmissor.

Três subunidades compõem as proteínas G. Isso inclui subunidades alfa, beta e gama. Essas três subunidades são ligadas quando a subunidade alfa se une ao nucleotídeo da guanina conhecido como guanosina-5'-difosfato (PIB).

A adenosina é diferente de outros neurotransmissores porque não é armazenada em vesículas. Pelo contrário, é produzido quando há uma quebra enzimática de adenosina-trifosfato (ATP) e adenosina-difosfato (ADP). Quando o neurotransmissor adenosina se liga aos receptores de adenosina, o efeito é uma substituição do PIB pelo nucleotídeo da guanina conhecido como guanosina-5'-trifosfato (GTP) na subunidade alfa. Como resultado, a subunidade alfa se separa das subunidades beta e gama, criando uma série de processos metabólicos ou bioquímicos.

Cada subunidade separada tem a capacidade de se ligar a moléculas, como enzimas. Quando as enzimas são ativadas, mensageiros secundários, como adenosina monofosfato cíclico (cAMP), são gerados. Os receptores de adenosina transformam o cAMP, que consequentemente estimula as enzimas e determina se os canais iônicos estão abertos ou fechados. Essas etapas metabólicas afetam o influxo ou efluxo ou íons dentro do receptor.

A transmissão da adenosina é importante para muitas funções corporais. Atua na defesa dos neurônios contra o estresse oxidativo e aumenta a quantidade de fluxo sanguíneo no músculo cardíaco. Também é responsável pelo término da atividade epiléptica. Durante uma convulsão, a adenosina acopla-se às proteínas G, o que resulta na abertura dos canais de potássio e no fechamento dos canais de cálcio. Como resultado, há o término da atividade convulsiva.

OUTRAS LÍNGUAS

Este artigo ajudou você? Obrigado pelo feedback Obrigado pelo feedback

Como podemos ajudar? Como podemos ajudar?