O que é fisiologia ocular?

Fisiologia ocular é o estudo dos processos fisiológicos que envolvem o olho e todas as estruturas relacionadas. Esta ciência baseia-se em química, física e anatomia. Descreve o mecanismo que o corpo humano usa para interpretar a luz de maneiras que auxiliam na compreensão do mundo.

O olho e todos os processos associados a ele são complexos, portanto o termo fisiologia ocular é bastante amplo, para dizer o mínimo. Fisiologia, em termos leigos, pode ser pensada como a maneira como as coisas funcionam. Se a anatomia é o que é feito, a fisiologia é o que essas coisas realmente fazem. Por exemplo, a anatomia ocular pode descrever a pupila, a córnea ou outras estruturas, enquanto a fisiologia ocular articularia como os raios de luz são transformados em visão.

A visão é uma função necessária em muitas coisas que os animais fazem e, embora não seja necessária para a própria vida, ela desempenha um papel importante na experiência do mundo. Visualizar uma cordilheira, evitar um objeto arremessado, experimentar atração física - cada uma dessas atividades comuns não seria possível sem a função fisiológica adequada do olho. Simplificando, a luz é composta de pequenas partículas que ricocheteiam dos objetos e entram nos olhos. É então captado pelas células sensoriais e transformado em impulsos eletroquímicos, posteriormente interpretados pelo cérebro.

A melhor maneira de ter uma percepção funcional da fisiologia ocular é compará-la à de um objeto mais tangível e familiar: uma câmera. A córnea, ou fora do olho, pode ser vista como uma lente de câmera e é responsável por cerca de 60% do foco da luz. A próxima parada da luz parcialmente focada é através da pupila e da íris, onde suas qualidades de abertura controlam o volume de luz permitido passar. Em áreas escuras, esse volume é bastante alto, ao passo que salas iluminadas podem diminuir a abertura, resultando na alteração do tamanho da pupila.

Essa luz com foco mais fino finalmente alcança uma estrutura na parte posterior do olho conhecida como retina, onde bastonetes e cones específicos da luz atuam para traduzir sua recepção de luz em um impulso que viaja para a parte posterior do cérebro. Os cones captam a luz colorida, enquanto as hastes são mais ou menos receptores claros e escuros. O nível de sua excitabilidade pela luz altera os impulsos que eles enviam, afetando assim a imagem que é realmente vista ou interpretada pelo cérebro.

OUTRAS LÍNGUAS

Este artigo ajudou você? Obrigado pelo feedback Obrigado pelo feedback

Como podemos ajudar? Como podemos ajudar?